BEM-VINDO(A) AO BLOG DE JESSICA NEVES *





(ÉS O MEU) LIVRO ABERTO

Desfolho-te como seda
Coberta de lantejoulas
Afasto a cortina lentamente
Pedaço a pedaço
Que bom é ler-te
Entre o jardim banhado em mel
E a cascata desnudada
No horizonte da tua sombra
Aragem perfumada de canela
Com pitada de pimenta
Ler-te é cegamente
Aquilo que me alimenta
Nas entranhas do meu ser.

25.09.2011











Aprecie as pequenas coisas da vida. São as mais belas e as mais intensas. Lembre-se que essas são as melhores.

quarta-feira, 28 de setembro de 2016

RASGO D'ALMA



Floresce em mim o fogoso desejo
De te possuir o corpo por inteiro
Começando ao deslizar de um beijo
Entre vestes que desvendam teu cheiro


Rosas cálidas acendem nos teus olhos
Por dentro dos gestos, o rasgo da alma
Desce poro a poro, palma com palma 
Irrompe o grito ao vestido em folhos



Já não há segredos entre quem se quer
À exaustão de se encontrar e se perder
O amor é dos – loucos – que arriscam ter
Ousadia, de um ao outro, pertencer.

terça-feira, 20 de setembro de 2016

A VIDA COMO UMA ÁRVORE: APONTAMENTO POÉTICO







A vida é como uma árvore, às vezes precisa de uns abanões 

para dar (os) melhores frutos.



Nessas alturas, a paciência é uma inquieta companhia que 


atua no tempo certo. 


A esperança nunca abandona a alma, ainda que esteja 


de luto 



e o que está longe, sempre se torna perto.




20-09-16


quinta-feira, 15 de setembro de 2016

ESPELHO(S)






Olhamos pouco para os espelhos dos carros


Porque são os nossos reflexos


Daí resultam os habituais acidentes


De percurso


– interior.






26.08.16

quinta-feira, 8 de setembro de 2016

ABREVIATURAS DE GESTOS





Está escrito na pedra

Que o sangue das rosas
Advém do pensamento em conflito
Com as mãos que rezam
E calejadas redigem
Abreviaturas de gestos.


Está escrito na pedra

Que a agitação das árvores
Coincide com o grito da alma
E as folhas arremessadas ao vento
São beijos que te não dei.


É de pedra 

Este abraço
- Este espaço -
Que medra
Corpo adentro.


É de pedra

Este cansaço
Ao descompasso
Dos olhares
Ao centro.

- Fala-me dos gestos que esqueci -

Diz-me das noites ao ouvido
Inventa a lua se for preciso
Não me deixes sem o ruído
Do ondular do teu sorriso!



23.04.16

quarta-feira, 7 de setembro de 2016

SONHO

Não almejo a altura



Que me (e)leva ao sonho



Desejo a lúcida loucura



De pisar o sabor da terra



Rumo ao que me proponho.






Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...