BEM-VINDO(A) AO BLOG DE JESSICA NEVES *





(ÉS O MEU) LIVRO ABERTO

Desfolho-te como seda
Coberta de lantejoulas
Afasto a cortina lentamente
Pedaço a pedaço
Que bom é ler-te
Entre o jardim banhado em mel
E a cascata desnudada
No horizonte da tua sombra
Aragem perfumada de canela
Com pitada de pimenta
Ler-te é cegamente
Aquilo que me alimenta
Nas entranhas do meu ser.

25.09.2011











Aprecie as pequenas coisas da vida. São as mais belas e as mais intensas. Lembre-se que essas são as melhores.

sexta-feira, 30 de agosto de 2013

QUERIA (RE)POUSAR EM TI






Queria (re)pousar nas palavras
Sentir 
O barulho ameno do silêncio
A cadência da rima nos dedos
E o poema a afagar-me a pele


(Mas não vens…)



Não há calor
Nem poema
Há (ar)dor
E dilema...



Queria (re)pousar nas palavras
Sentir
O odor abafado a verão
O olhar polvilhado de sonhos
E a boca cheia de beijos



(Mas não vens…)

Não há odor
Nem olhar
Há desamor
E lacrimejar…



18.04.13

terça-feira, 27 de agosto de 2013

SE O AMOR NÃO VIER ESTA NOITE






Se o amor não vier esta noite 


Não irei implorá-lo a outra porta 

Ainda que o desejo baixinho me afoite 

Esperarei pela luz do dia 

Entre as frestas da janela 

Não como ave ferida que o vento corta 

Mas como ave livremente bela 

Em forma de poesia!

sexta-feira, 23 de agosto de 2013

COLO






Leva um beijo meu contigo




Dá-lhe colo


Despe-o


Loucamente


E faz amor com ele


Noite (a)dentro.

quarta-feira, 21 de agosto de 2013

ÉS...





És melodia que em mim (re)pousa
Em gestos de ternura eloquente
És o perfume que, sem querer, ousa
Deixar meu sangue frio, quente…


És mais de metade da minh’alma

O anel que destece o meu coração

Em renda, unindo palma com palma
No olhar risonho trago tua expressão!



És hipérbole num verso sem razão

Fruto que (a)colho, divina bênção 

És insanidade, pecado-tentação 
Destemida e desmedida paixão…



És dia e noite, aceso cálice de vinho

Entornado pelos meus lençóis de linho

És origem e no meu seio és poema 
Vertigem d’espuma, sonho e dilema!



És conto de fadas, des(a)pertas o paraíso  

Em mel e fogo, quando abres tua janela

De par em par e me ofereces teu sorriso
És no céu doirado, minha única estrela!



19.04.13

segunda-feira, 19 de agosto de 2013

MEMÓRIAS





É a tua imagem que se arrasta no tempo. 

Tu és tudo a cada segundo, que vale em mim a eternidade.  

Abraço cada fotografia como se ter-te fosse uma realidade, um diamante lapidado do qual não abdico. 

És bálsamo que não me canso de respirar. És essência que não me canso de amar.
O tempo não me afasta do castanho fascinante dos teus olhos,
nem dos teus lábios coloridos de sensações.
O tempo não te afasta do meu olhar carente de sonhos, nem do meu pensamento atolado de cada momento passado junto a ti… Passado que é e será presente, enquanto o meu coração e a minha cabeça insistirem em recordar paulatinamente cada sorriso, cada beijo trocado,
cada toque, cada ensejo partilhado!... 
Vou tentando remendar algumas feridas - sem remédio - que sempre que toco,
voltam a doer e a abrir, desatando tempestades que, só o grito do silêncio entende. 
Já lá vão noites sem conta, em que o teu corpo ausente é presença constante, na minha cama fria, enfeitada com lençóis carcomidos.
Quando é Amor, o tempo não cura (nada)!

quinta-feira, 15 de agosto de 2013

QUANDO ESTOU CONTIGO




Quando estou contigo
Há perolas doiradas a florir
Mãos de seda a tatear sentidos
Vício(s) a que não pretendo resistir
Se os quero sempre desmedidos…


Quando estou contigo

Há borboletas empoleiradas

Um calafrio perante tamanho desejo
Poisado nas bocas entrelaçadas
Que se (p)rendem a um longo beijo…



Quando estou contigo

Há danças em cegas rimas

Ritmos latinos, ousados
Genuínas obras-primas
Em laços aprimorados…



Quando estou contigo

Há o coração desarmado

Nu(m) rompimento além-pele
O licor do afeto escancarado
Um destino promissor e fiel…



Quando estou contigo

Há o esquecimento do tempo

Das consequências, o devaneio
Nu(m)a loucura aliciante o momento
Em que prazer é nome do meio…



Quando estou contigo

Há espontaneidade na cadência do sorriso 

O despertar de cada sensação singular
O cheiro de um livro novo, o paraíso
O lugar mais lindo de habitar… e amar!



13.08.13

terça-feira, 13 de agosto de 2013

DEPOIS DE UM BEIJO






Depois de um beijo 

Molhado

Lambido
Demorado
Su(g)ado
Tremendamente louco
Um sussurro de desejo ao ouvido
Um pescoço devorado
Duas mãos pelo corpo
Um toque ousado entre coxas 
Despertando o hálito abafado
Nu ondular da maresia
O descontrolo dos sexos 
Excitados
Penetrados
Envolvidos num terno abraço 
De cansaço...

Depois da noite
Só a madrugada em branco
O (re)começo
Do avesso…

13.08.13

sexta-feira, 9 de agosto de 2013

PERCURSO







Há uma ponte e um arco-íris a percorrer



a cada novo amanhecer.





Que os nossos olhos e o nosso coração, estejam sempre 


dispostos a fazer esse percurso...

quarta-feira, 7 de agosto de 2013

ESCRAVA








É uma gota (pro)funda e interna
Que jorra pelo meu coração
Velha e imunda caverna
Palpitando sem compaixão…


É um todo que nada lava

Que jorra pelo meu coração
Sou sua maior escrava
Palpitando sem compaixão…



É uma perda com pouco ganho

Que jorra pelo meu coração
Vazio e atormentado banho
Palpitando sem compaixão…



É um barulho de morte

Que jorra pelo meu coração
É a falta daquela sorte
Palpitando sem compaixão…


07.08.13

segunda-feira, 5 de agosto de 2013

IMAGENS INSPIRADORAS (*)

Flutua em nós o desejo, em águas calmas e o pensamento eleva-se, com asas douradas de anjo, ao expoente máximo do céu, onde o coração se revela.
Todos os tons nos enfeitiçam os olhos, quando somos poema ao íntimo toque.
Oh… Como tudo é brilho, claridade e compreensão!
Fazemos da conquista, um jardim de flores regado constantemente, a cada gesto.
Há uma multiplicação em cada ação e jamais a divisão se faz sentir. Somos a unidade.
Desapegados do mundo, caminhamos sem medo(s) de qualquer julgamento, livres…
Nada pode impedir dois seres de se possuírem, de se amarem desmedidamente.
E assim, acenamos e sorrimos à natureza e abraçamos as boas vibrações, que nos alimentam.
Somos cristais lapidados, conforto aceso, alva pele de nós mesmos.
Só o teu corpo (des)compõe o meu. É no peito que colo todos os meus segredos.
Agradeço à vida, a dádiva de te ter por perto. De te ser, com o peso do ventre em chamas.
De te (re)inventar a cada paraíso. És luz d’existência!
Fixo-me em ti, em pleno so(n)ho e a leitura que faço é, silenciosamente penetrante, num raio perfeito em direção empolgante.
Deixo que me arrases, por dentro e por fora, nu(m)a construção perfeita.
Deixar-te ir seria, ousar perder-me, por trilhos obscuros.
Desabotoas-me o coração aquando a roupa e eu, com candura, enlaço as mãos e imploro que fiques, neste labirinto mágico.
A vida pincela-se numa dança de todas as cores, num tocante beijo de almas gémeas.
Porque és… Sonho meu!

05.08.13



(*) Este texto surgiu através da visualização de uma série de imagens (inspiradoras) que me foram sugeridas... Daí optar por não colocar nenhuma imagem e dar asas à criatividade do leitor!

sexta-feira, 2 de agosto de 2013

ÀS CORES







Branca é a alma
Em becos estreitos
Em sinuosos leitos
De perder a calma…


Verde é a água
Que embala os sonhos
Que compõe o que somos 
Que leva tod’a mágoa!



Amarelo é o girassol
Que se desabotoa no teu sorriso
Que me aquece em noites de sol
Que faz de ti, o (meu) paraíso!



Vermelha é a fome
Que separa os lábios teus
Dos lábios meus
É pecado, é lume
Separar as estrelas do íntimo dos céus…



Azul é o olhar
Que se estende a caminhos
Intermináveis, dignos de amar
Mais que mil devaneios e(ntre) carinhos…



Transparente é a folha
Que me nega e te olha
Que poisa nos meus braços de maresia
E enrola nossos corpos em poesia!



02.08.13
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...