BEM-VINDO(A) AO BLOG DE JESSICA NEVES *





(ÉS O MEU) LIVRO ABERTO

Desfolho-te como seda
Coberta de lantejoulas
Afasto a cortina lentamente
Pedaço a pedaço
Que bom é ler-te
Entre o jardim banhado em mel
E a cascata desnudada
No horizonte da tua sombra
Aragem perfumada de canela
Com pitada de pimenta
Ler-te é cegamente
Aquilo que me alimenta
Nas entranhas do meu ser.

25.09.2011











Aprecie as pequenas coisas da vida. São as mais belas e as mais intensas. Lembre-se que essas são as melhores.

quarta-feira, 30 de novembro de 2011

INCÊNDIO CORPORAL



Acende-me sem usar o isqueiro
Dá-me um caloroso beijo
Que molhe o batom do cieiro
Atiçando em mim o desejo

Que o incêndio corporal
Traga na sua bagagem
Só o instinto animal
Para que possa ser selvagem

Os sapatos sozinhos
Já se puseram a andar
Deixaram os nossos ninhos
Juntos em paz se elevar

O meu vestido prateado
A tua boca ouse rasgar
Navegando por todo o lado
Me leve a incendiar

Reagindo ao nosso cheiro
Que o meu coração palpite
Forte ao prazer verdadeiro
Desembrulhando o apetite

Que a minha mão ateada
A tua roupa consiga queimar
Tocando-te deveras alumiada
Deixe o teu corpo a delirar

Que a tua arrojada mão
Se comece a descontrolar
Dê ouvidos ao coração
E o rabo me venha apalpar

Que a tua boca faminta
Arrisque os meus seios trincar
Que a pele arrepiada sinta
E me faça levitar

Que a minha saborosa boca
Te lambuze até ao ventre
Completamente louca
Desça e em ti entre

Caminhando por montes e vales
Que tu te declares em poesia
Expressa-te sem que te cales
Realiza comigo a maior fantasia

Que este incêndio nos afogue
Alastrando bem fundo
Que o nosso corpo num só rogue
Sem pudor ao fim do mundo

28.11.11

JAMES MORRISON - I WON'T LET YOU GO
http://www.youtube.com/watch?v=sgRb_lfIZ6A&ob=av2e

terça-feira, 29 de novembro de 2011

BANALIDADES

A música tornou-se vulgaridade
Já nem a sinto quando ouço
É como os trovões da tempestade
Que me entram sorrateiros no bolso

O futebol tornou-se futilidade
Já nem assisto a nenhum jogo
É como ouvir os políticos
Dizerem tudo menos a verdade
É como ver o bombeiro
Com a água ir apagar o fogo

Maior banalidade ainda é a morte
Todos temos a mesma sorte
É como querer ser imortal
Sabendo que o Fado é fatal

Estou exausta de coisas banais
Que falta de originalidade
Prefiro ver a diversidade
De todos os animais!
19.11.11

STATE OF SHOCK – DIFFERENT DAY
https://www.youtube.com/watch?v=bAfm-E1kCYs

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

DUPLA FATALIDADE


O copo de cristal ainda tem a marca do teu batom exatamente onde bebeste o último gole da vida.
Confesso que a mesa continua posta desde esse dia que saíste à pressa para entrar ao serviço.
Mal sabias que o destino pelas costas te apunhalava: o acidente fatal.
Desculpa, sei que nem o tempo, nem o meu amor, nem o beijo repenicado na boca com que te despediste te trazem de volta.
A mesa continua posta mas é como se estivesse desfeita, tal como eu, interiormente. Falta-lhe a vida, o teu toque, as flores coloridas que trazias da rua só para perfumar mais a casa à luz da nossa paixão.
Como era tudo tão perfeito!...
Como as coisas mudam num ápice. Hoje sou eu quem morre enfeitando a tua campa com essas flores.
Dessa mesa, agora destruída, resta-me os cacos dos pratos perdidos pelo chão e a faca afiada cravada no peito.
Quem cola esses cacos para formar novos pratos?
Quem me tira a dor da faca cravada no peito?
Ninguém!
Os cacos são meros pedaços míseros. Jamais serão novamente pratos.
A faca afiada permanece cá dentro.
Ainda toca a nossa música, ainda sinto o nosso cheiro húmido nos lençóis, ainda vivo do nosso amor, estou mais que amarrada a ele!
Sinto-me incapaz, insuficiente.
Sabes, o destino foi cruel!
A dor da perda é terrível que nem um grito horrendo sufocando o escuro.
Abraço-te claro, pelas boas recordações: os olhos que me contemplavam doirados, a respiração agitada, as mãos enlaçadas, o calor dos lábios num só, a tua pele envolvendo a minha, o aroma do desejo, a palavra amor, enfim, AMO-TE.
Dei-te tanto de mim que sabia sempre a tão pouco. Mas tinha mais, muito mais.
Mais que um aconchego numa noite de Inverno, mais que o incêndio dos corpos nus espreitando o luar, mais que um abraço em noites sombrias, mais… mais... que agora se resume a NADA nestas linhas dispersas ao arrepio do vento.
O meu olhar é desumano que nem criança passando fome. É um mero sem abrigo.
A toda a hora se abate a noite e desaguam rios que tudo inundam e nada lavam.
Chamo-te, entre o silêncio que me consome, chamo-te amor.
Fraquejo num aperto e tombo sempre que tento dar qualquer passo mais firme. Em vez de ir em frente na passagem de nível corro desalmadamente para trás beijando o teu retrato.
Já lá vão precisamente 365 dias desde a tragédia sangrenta que desponta em mim à agonia do Fado.
Sozinha não resisto. É demais!
Só rogo a Deus que me leve para junto de ti para construirmos o paraíso juntos.
Dou-te a mão até ao céu que está de braços abertos à minha espera.
Não escrevo mais até que me mate nesta mesa vazia onde me suicido com os fios do telefone trilhados à volta do pescoço, só para sentir o paraíso completo a dois.

(Há agora uma estrela maior que brilha no céu junto de outra que já lá habitava)

26.11.11



JAMES BLUNT – NO TEARS
-> http://www.youtube.com/watch?v=1ZoBwK7s1l0

domingo, 27 de novembro de 2011

VULCÃO EM ERUPÇÃO



Ao compasso abrilhantado da lua
Embalada pela canção do mar
Desejo possuir-te somente nua
Para que nos possamos deliciar

Que a tua blusa de lã
Se arrepie nesta noite
Com um valente açoite
Traga o aroma a hortelã

Que o teu soutien de algodão
A minha boca sacuda depressa
Que nem um insolente vulcão
Que o nosso corpo em erupção
Se encaixe numa só peça
Que as tuas calças de ganga
As rochas se atrevam a descer
Acompanhadas pela tanga
Que a fome comece a crescer

Que as tuas meias de renda
Oscilem com uma fenda
Fervendo em sal o doce mar
Enlouqueçam com a nossa lenda
E nos obriguem a cambalear

Que as tuas peludas botas
E os teus brincos de ouro
Se pelem ao som das anedotas
E embalem o nosso tesouro

Que tombe o meu vestuário
Só com um bafo do vulcão
Que a palavra amor conste
No nosso íntimo dicionário
Para a entrega ser de coração

Que a tua deliciosa boca
Serpenteie pela minha
Louca, louca, louca
Parecendo o comboio
Endoidecido na linha
Que a tua deliciosa boca
Desça ainda pela minha pele
Louca, louca, louca
Barrando favos de mel

Que a minha intensa mão
Desperte também a tua
Que a varinha de condão
Entre os poros da pele nua
Nos estimule até à lua

Que eu me renda à luta
E o diabo levante o véu
Inundando a tua gruta
Eu te ame até ao céu

26.11.11


THE POWER OF LOVE - CELINE DION
https://www.youtube.com/watch?v=YCT0Ije8TRU

sábado, 26 de novembro de 2011

QUERIDA AVÓ


Engelha-te a pele pelas rugas da sabedoria
O rosto dócil e pálido acaricio com ternura
O teu cabelo puro é cal, é vida,
É rubro, é sangue
Que me alimenta as veias se te olho
E te pego suave na mão
Apenas genuína, sorris!

Quando te afago ao aconchego dum abraço
A tua pele fresca rejuvenesce
Aviva-se nítida pelo olhar
Se da boca se consomem as palavras…
Deixa, sinto que me amas
Sem que te pronuncies.
Sente que te amo.

Encanta-me a postura curvada
O auxílio das canadianas
Até a firmeza da bengala
Debilitada ainda assim
Percorres a existência contra o vazio
Da amarga solidão que passa
Às conversas paralelas
Com amigos de partilha
Entre o banco do jardim
Onde perfumas a cada pétala
O licor singular da vida
Que te trouxe o espírito de juventude
Da idade que agora te carrega sem pesar

Admiro-te assim
Longe de acrescentos
Rabugenta ao choro dum bebé
Sábia ao desfolhar cada lenda
Na plenitude do teu tempo
Contemplo-te embevecida
Desfolhá-las é desfolhar-te
Orgulhar-me do teu percurso rudimentar
E seguir-te as pisadas
Oh, quanto prazer!
Sabendo que o jardim além
De repleto de doces flores
Contém ainda bastantes espinhos
Inevitáveis ao seu crescimento.

Valorizas a enxada cavada na terra
Pelos campos encantados do Mondego
Ao trabalho árduo pelo suor da noite
Esquecendo as horas de sono
A mendigar migalhas do medíocre

Poupas, bem sei
Porque sabes quão difícil foi
O esforço do corpo lastimoso
Às esmolas escassas
Que se escaparam
Entre os dedos vagabundos

Querida Avó,
Confesso ter pavor à velhice
Tremenda agonia à solidão
Mas se um dia for como tu
Serei, de aberto coração!

25.11.11

CARLOS MENDES - AMÉLIA DOS OLHOS DOCES
https://www.youtube.com/watch?v=Rx-q2fez5cE

sexta-feira, 25 de novembro de 2011

SÓ TU, AMOR



Quem poderia apagar a escuridão
Abrilhantar e dar vida à noite
Trazer mais cor ao dia
Numa harmoniosa composição iluminada
Quem mais poderia ser senão a luz?

Quem poderia ser grandioso
Conter a beleza das estrelas
O algodão doce das nuvens
A imensidão dos astros
Quem mais poderia ser senão o céu?

Quem poderia ter quatro fases
Uma Crescente ao compasso da paixão
Uma Nova que omite a dor
Uma Minguante que aparece sem razão
Uma Cheia refletindo de amor
Quem mais poderia ser senão a lua?

Quem poderia ter páginas
Carregadas de inúmeras palavras
Escritas pelo autor
Quem mais poderia ser senão o livro?

Quem poderia traçar os destinos
Ao mais íntimo pormenor
Sem perder nenhum rumo
Quem mais poderia ser senão o mapa?

Quem poderia conter sentimentos
Agitar-se de ansiedade
Guardar todos os segredos
Quem mais poderia ser senão o coração?

Quem melhor então
Para reunir
Toda a harmonia da luz
O infinito do céu
As belas fases da lua
O maior livro aberto
Contido no pedaço do mapa
Do meu genuíno coração
Quem mais poderia ser senão TU,
Meu amor?

24.11.11

I HAVE NOTHING - WHITNEY HOUSTON (TRADUÇÃO)
https://www.youtube.com/watch?v=p50xkD_srec

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

AREAL EM ÊXTASE



Põe-me os sentidos a fervilhar
Eu sou um grão da tua areia
Tu és as ondas do meu mar
Prende-me em êxtase na tua teia

Faz de mim a toalha estendida
No teu doce e imenso areal
Sou a tua perdição garantida
Que te faz bem sem fazer mal

Ferve-me em água salgada
Mergulha no meu oceano
Afoga-te na minha boca molhada
Até ao cair do pano

Cede à nossa tentação
Jura-me amor eterno
Alia-te à minha condição
Sem distinção
Entre o céu e o inferno

22.09.2011

LISTEN TO YOUR HEART - ROXETTEhttps://www.youtube.com/watch?v=yCC_b5WHLX0&ob=av2n

quarta-feira, 23 de novembro de 2011

ECOS DUM SILÊNCIO


Um dia, o fantasma me assombrou
Repetindo “Quem és?” “Quem és?”
Quem sou? Quem sou?
Só sei ser alma da cabeça aos pés

Sou o eco dum silêncio
Que grita (pro)fundo bem alto
Quem sou? Quem sou?
Se o ar me sufocou
Se me cubro de asfalto

Sou poço de gaguez temida
Entre angústia das horas vagas
Sou a lacuna breve sofrida
Do que escrevo atrás do que apagas

Sou saturação em estado líquido
Que das gotas alimento a gula
Sou corpo ausente dolorido
Se em falta tenho a medula

Sou vento moribundo que passa
Que tem fome alastrada pela traça
Sou os contornos baços da tempestade
Quem sou? Quem sou?
Um dia, o fantasma me assombrou
Sem querer, disse-lhe a verdade!

22.11.11

ALEXANDRA BURKE - THE SILENCE-> https://www.youtube.com/watch?v=xyWEqPhyXuk

terça-feira, 22 de novembro de 2011

DEMAIS



Quero mais de ti
Que um afago solto
Do peito entre suores frios
Quero mais de ti
Que o beijo humedecido
Sabendo a mel roubado
Oriundo do conforto
Mais íntimo dos teus olhos
Quero mais de ti
Que a brisa que me sopra
Ao entardecer
Se te espero
De braços abertos
Mais que ao sono
Quero mais de ti
Que o laço das mãos
Em apertos sombrios
À luz eclipsada
Quero mais de ti
Que o sorriso de fogo
Des(a)pertando o desejo
Em pétalas de seda
Bordadas de paixão
Quero mais de ti
Que o ventre rasgado
Adocicado
Em acesas melodias
Quero bem mais de ti
Embriagado nestas linhas
Ao aroma dos lençóis nus
Apimentados de jasmim
Quero muito mais de ti
Se me invento e me quero
Desejando-te assim
DEMAIS.

21.11.11
I wanna know what love is - foreigner - traduzida
->
http://www.youtube.com/watch?v=EbMKbOrkJbY

segunda-feira, 21 de novembro de 2011

SOL DE ALGUÉM




Tu
Que beijas com prazer o chão que pisas
Como fazes a cama gelada onde te deitas
Tu
Que cego só vês as curvas da estrada
Sem contornos delineados
Tu
Que bebes em goles negros as gotas ácidas
Soltas pela tempestade que te enxuga a alma
Tu
Que olhas o destino como certo sem final traçado
E te guias pela cigana lendo a sina à palma rasgada
Tu
Que te moves pelos quadradinhos selados
Pelo cadeado moribundo ocultando a luz
Tu
Que te chamuscas ao sol desprotegido
Soletrando o risco a par da solidão
Tu
Que sangras como mulher menstruada
Desses olhos atormentados de olheiras
Tu
Que te crucificas na tua própria sepultura
E descompões com arranjos o teu cadáver

Agora
Que sei que te feri
Mais que os cinco sentidos
Levanta-te

Galvaniza-te à minha decadente linguagem
Numa luta acesa contra a guerra
Ergue-te ao templo dos Deuses
Idolatra a água viva da nascente
Impõe a raça branca à tela da vida
Dá a mão às sete cores do arco-íris
E constrói…

Constrói a cada passo
O telhado da tua própria casa.

20.11.11

“Por mais longa que seja a noite o sol volta sempre a brilhar.”  
F. A. Fracasso

KEANE - SUNSHINE
-> https://www.youtube.com/watch?v=0idn1SpsTGo

domingo, 20 de novembro de 2011

DIZ-ME MEU AMOR



- Amor, sabes porque é que
Quando olho as nuvens
Elas choram desalmadamente?

- Obviamente amor.
Porque te cobiçam a beleza
Que comove
Inatingível.

- Porque me sorri derretido o sol
e me acompanha a cada passo que dou?

- Porque te gaba à luz da perfeição
De cada raio
Que solta a ponta do véu
Pelo trajecto do meu horizonte

- E a lua amor, porque se eleva
Sempre que a admiro?

- A lua ascende ao brilho maior
Dos teus olhos de amêndoa
Como se fossem os meus embevecidos.

- Porque se agita deveras
o vento quando saio à rua?

- Porque sopra ao sem fôlego
Ao compasso da respiração
Que transborda do meu peito quente
Se te sinto tão minha

- E a água, porque se torna límpida?
- Porque se banha amena
Na tua doce pureza
Enlaçada no teu genuíno sorriso
Espelhado
A cada maré vaza de mim.
- Amor, porque canta estouvado o rouxinol
Quando passo por ele?

- Porque se embala
Com a melodia que compões
E sabe
Que extravasas dentro de mim
Se estás bem perto.

- Só mais uma dúvida amor.
E os teus olhos, os teus olhos amor,
Porque são tão puros
Se me contemplam?

- Ora amor,
Apenas te digo que
Os meus olhos reflectem lavados
A transparência das tuas águas
Bebendo da sede dos teus.

19.11.11

WHITESNAKE – IS THIS LOVE
->
https://www.youtube.com/watch?v=Ww1a_xLOyLA

sábado, 19 de novembro de 2011

ALERGIA AO TRÂNSITO


Há quem leve na brincadeira
Quando vou na passadeira
Não respeitam os sinais
Por isso, estão cheios os hospitais!

- Senhor, se faz favor
Ande mais devagar
Não me cause dor
Não me tente atropelar!


Só Deus e o vento
Sabem que detesto o movimento
Que chatice a buzina
Lembra-me o som da concertina!

Sou uma princesa
Oh, com certeza
Quem me apitar?
Nem ouso acenar!

25.10.11

ONE REPUBLIC - STOP AND STARE
-> https://www.youtube.com/watch?v=-d_AXE7lH8Y

sexta-feira, 18 de novembro de 2011

NÃO SEI FALAR DE AMOR


Hoje não vou falar de amor.
Não falo do que não sei falar.
Não falo se desconheço o sabor.
Não falo do que não sei explicar.

Não vou falar de amor.

Não falo do que não sinto.
Se o fizer claramente minto.
Mas se sentisse nada dizia
Tentando definir, mentiria.

Não sei falar de amor.

Porque o ser que ama
Que partilha a cama
Com “aquela” pessoa
Sabe que o amor
É uma coisa tão boa
(Mas também causa dor)
Que o coração quente
Não explica, só sente!


Nunca saberei falar de amor.

Se ninguém consegue explicar
O porquê do aroma da flor
Como me hei-de pronunciar
Sobre o que é o amor?
Recuso-me a falar de amor.

17.11.11


LOVE IS IN THE AIR – JOHN PAUL YOUNG (TRADUÇÃO)

https://www.youtube.com/watch?v=ujc8WCrHNp0

quinta-feira, 17 de novembro de 2011

EM ÁGUA E SAL


Soprou-me leve
Ao ouvido
A brisa delirante envolvendo ao mar
O enorme desejo de unir carne viva
Ao descoberto no areal
Contida em desconcertante harmonia

A minha pele arranha
Bebendo a tua

Fervida em água e sal
Rema ao expoente máximo
Que o pôr-do-sol desmanchado
Sorri fantasiando
E simplesmente se apaixona
Cada vez que contempla
O prazer das rochas fragmentadas
Rendidas
À entrega das conchas.

16.11.11

SCORPIONS – WIND OF CHANGE (TRADUÇÃO)

https://www.youtube.com/watch?v=_08mQPHxNMo

quarta-feira, 16 de novembro de 2011

(CONTRO)VERSOS DE OUTONO



Em plena noite soalheira de Outono
As folhas caídas afrontaram o sono
O teu corpo pediu esmola ao meu
À minha porta dormente bateu

Abriguei-te ao aconchego da lareira
Cheguei-me perto, à tua beira
Amei-te ao calor das mãos entrelaçadas
Em arrastos de pele carenciadas

Resmunguei condensada no teu olhar
Ousando o nosso amor em versos abafar
Versos soltos lapidados de pura paixão
Que abrigo num sopro do meu coração

Se a tempestade chorona desata
As árvores arrepiadas
Se as folhas secas
Estão prestes a ser calcadas

Se o berço da noite é o colo do dia
Irrelevante é descortinar tudo isso agora
O nosso relógio ainda marca a mesma hora
Os calos curados brotam de alegria

Amor, despreza o tempo lá fora
O nosso relógio ainda marca a mesma hora
Mantém-te assim radiante a sorrir

É só isso de ti que quero sentir!

15.11.11

BON JOVI – THANK YOU FOR LOVING ME (TRADUÇÃO)
-> https://www.youtube.com/watch?v=SaQ0h6CeN4A

terça-feira, 15 de novembro de 2011

SOPRO NU DO FURACÃO



Ao comando do meu coração
Levado pelo sopro do vento
Despe-te violento o furacão
Faz-te minha por um momento

Que o teu casaco de pele
Tombe na velha armadilha
Da abelha buscando o mel
E nos leve para a nossa ilha

Que a tua camisa de cetim
Ateie com fósforos o fogão
Trazendo lume até mim
Sugo-te botão a botão

Que a tua atraente saia
Rebente pela doce costura
Que o nosso corpo caia
Na depressão que nos perfura

Que as tuas meias calças
Se desnudem em duas valsas
Que os teus sapatos folgados
Abalem na mesma cantiga
Ao som de dois belos fados
Fujam como uma lombriga

Que o teu relógio de aço
E a tua pulseira de prata
Se apertem num abraço
E a intimidade se abata
Formando em nós um laço

Que o rasgado pôr-do-sol
Desperte dentro de nós
Num enternecido gole
Clame a uma só voz


14.11.11

CELINE DION - POUR QUE TU M'AIMES ENCORE
->
http://www.youtube.com/watch?v=z8wlEtWt_c8

segunda-feira, 14 de novembro de 2011

TONS DE NEGRO



Rabisco a tela em tons de preto
Encho-me de toda a amargura
Atiro fora o meu terno amuleto
Visualizo-me numa pedra dura

Aperto-me contra um nó
Sufoco-me entre ardores
Engulo o meu próprio pó
Sem quaisquer pudores

Sustenho a respiração gritante
Encontro-me no espelho vazio
Morro numa mágoa exorbitante
Retirando ao quente o frio

Sugo o veneno que me consome
Fecho as cortinas à magra vida
Alimento-me, mato a fome
Encaro-me como sombra vencida.

01.11.11

MARIZA - CHUVA
-> http://www.youtube.com/watch?v=OpExb2hCYTs

domingo, 13 de novembro de 2011

MENINA DAS SETE SAIAS

Ontem, tal era o contentamento que me apeteceu rodopiar com esta "MENINA DAS SETE SAIAS" que idealizei.

Menina das sete saias
Rodopias ao som do acordeão
Bailas ao compasso do pião
Cuidado menina, não caias

Menina da saia de pregas
Os campos do Mondego docemente regas
Meus olhos límpidos lavo nessas tuas águas
Onde te dou a mão
E danço contigo sem quaisquer mágoas
Estendo-te o meu coração

Oh, menina que és tão doce
Meu amor verdadeiro por ti não fosse
O meu maior e único prazer
Seria eu só de coração fraco, a sofrer!

12.11.11

DEOLINDA - MOVIMENTO PERPÉTUO ASSOCIATIVO
http://www.youtube.com/watch?v=us9dIcLjfKM

1ºLUGAR NO VI CONCURSO DE POESIA “COMUNIDADE ESCOLAR” DA APPACDM DE SETÚBAL - FOTOS

Salão Nobre da Câmara Municipal de Setúbal











12.11.11

1ºLUGAR NO VI CONCURSO DE POESIA “COMUNIDADE ESCOLAR” DA APPACDM DE SETÚBAL - PRÉMIOS

sábado, 12 de novembro de 2011

1ºLUGAR NO VI CONCURSO DE POESIA “COMUNIDADE ESCOLAR” DA APPACDM DE SETÚBAL

“Se és estudante, gostaria de te convidar a participar no VI Concurso de poesia "Comunidade Escolar" da APPACDM de Setúbal (meninos com trissomia 21).
para isso só tens de fazer 1, 2 ou 3 poemas, com pseudónimo (…) com o tema: O teu sorriso...um poema”


Foi desta forma que fui abordada por uma senhora pela qual tenho enorme carinho, a D. Nanda (Fernanda Esteves), que simpaticamente me convidou para participar num concurso de poesia (fato que viria a acontecer pela primeira vez).

Aceitei o desafio com todo o gosto e enviei (apenas) um poema:
O TEU SORRISO… UM POEMA

O teu sorriso
É o brotar de uma flor
O brilho encantado da noite
O nascer de um novo dia
A esperança de uma luz acesa
Que me traz a alegria
E leva para longe a tristeza

O teu sorriso…
Um poema

Só o teu sorriso me seduz
Nele vejo a vida
De olhos fechados
Num tocar de lábios
Intensos e delicados

O teu sorriso…
Um poema

O teu sorriso
É a chama do meu corpo
É o meu íman de eleição
É aquilo que me alimenta
O espírito e o coração

O teu sorriso…
Um poema

O meu coração diz
Que tu apenas sorris
Porque sabes
Que o teu sorriso
É tudo o que preciso
Para me manter viva

O teu sorriso…
O maior poema

12.10.11

Alexandra Vasconcelos (pseudónimo)
E eis que o resultado foi o seguinte:

“Jessica Alexandra Raimundo Neves, de 17 anos, ganhou o 1º prémio no VI Concurso "Comunidade Escolar" da APPACDM de Setúbal, entre 46 participações de várias escolas do país.”


A atleta de 17 anos faz assim o seu primeiro golo nas malhas da poesia com um remate certeiro!

PRÉMIO: UMA ESTADIA DE DUAS NOITES NO HOTEL MIRACORGO (EM VILA REAL) PARA DUAS PESSOAS
à http://www.hotelmiracorgo.com/

Reparto este primeiro lugar com todos aqueles que se orgulham com este saboroso passo na ainda curta mas tão desejada longa caminhada.

Um sincero muito obrigada a todos os que me apoiam e me lêem diariamente.
OBRIGADA!

Queria ainda felicitar a organização do Concurso pela iniciativa e também todos os participantes e desejar que este evento se realize por muitos anos.
Um especial agradecimento à D. Nanda que tornou este acontecimento possível!

sexta-feira, 11 de novembro de 2011

DOCE ATRAÇÃO



Andavas ousada pelas ruas da cidade
Seduzias-me em pleno mistério
Irresistível, toquei-te tinha essa vontade
Transportei-me para o teu hemisfério

Agitado em ligeiros sobressaltos
Caminhei subindo pelos teus saltos altos
Perdi-me entre o teu labirinto
Com o meu olhar de lince faminto
Conduzido pelo teu vestido arrojado
Deixaste o meu smoking enfeitiçado

Tentei-te para estarmos a sós
No meu laço deste dois nós
- Donzela, com toda a sua classe
Não me faça desfeita, passe

Levei-te para um encantado castelo
Eras digna de um sítio como tu, belo

As tuas pulseiras prateadas
Arranquei uma por uma
Que nem uma puma
De garras afiadas

Os teus brincos brancos
Estavam sedentos de encantos
O teu fio de prata sobre o peito
Eras tu caindo no meu leito

O teu longo vestido
Desnudei com os olhos
Soltei-te aos folhos
Desejando-te ao ouvido

Os teus lábios vermelhos
Arderam na minha boca
Como acelerados coelhos
Entrando na sua toca

Com as tuas mãos acesas
Despiste-me ao pormenor
Ao ritmo pedindo amor
Éramos saborosas presas

Entre intensas carícias
Éramos seiva de flor
Maravilhosas delícias
De ardente sabor

04.11.11

CHENOA & DAVID BISBAL - EL ALMA EN PIE
-> http://www.youtube.com/watch?v=1RXkCR57hXQ

quinta-feira, 10 de novembro de 2011

INSUFICIENTE EU SOU


Insuficiente assim eu sou
Como um quociente aberto
Que a raiz quadrada despontou
E nunca dará certo

Desalmada pela borracha corro
Chegando fora de tempo
Em aguarela a escrita borro
Sinto-me poeta por um momento

E então, olho a tela
Sinto-me alguém, bem
Entre tintas de aguarela
Lá no fundo sou ninguém!

09.11.11

ONE MOMENT IN TIME - WHITNEY HOUSTON
-> http://www.youtube.com/watch?v=-UdTzkgFmz8

quarta-feira, 9 de novembro de 2011

CONTO ERÓTICO: PURO PRAZER




Quando partes há um pedaço teu que permanece comigo.
Invades-me sempre que te invento e te busco fantasiando a nossa contagiante melodia.
O teu ousado perfume despe-me entornando-se sobre o meu leito quando me entrego a ti sem pudores.
Ainda guardo o sabor a alperce dos teus lábios tocando os meus desde a última vez.
É como se te beijasse neste preciso momento. Sentes?! A tua boca é a sede do prazer.
Não pares. Beija-me à luz do nosso desejo. Enrola a tua língua na minha. Suga-a.
Suga-me.
Ai ai… O teu sussurro pertinho do meu ouvido desejando-me é pura excitação. Desceres ao meu pescoço entre carícias e lambidelas deixa-me louca.
Confesso, os meus seios veneram a tua boca inundada serpenteando entre eles.
Tu sabes…
A tua boca insaciável percorrendo-me de alto a baixo deixa-me extasiada.
Como se não bastasse, as tuas mãos sobressaltadas enchem-me os contornos.
Como me queres… Como te quero paixão!
Desejo-te. Beija-me o sexo, sente o odor a hortelã incendiada em pleno matagal.
Sou toda tua.Cola em mim como lenha ardendo fugazmente na lareira.
Arrisca comigo na tua maior fantasia. Eu guardo segredo, prometo.
Quero perder-me contigo numa loucura infindável só nossa.
Vem abrilhantar a noite, vem desprezar o dia, vem boicotar o tempo, vem roubar a proa ao navio, vem desorientar a ampulheta, vem amor!
Vamos transformar o pinhal inofensivo numa selva amazónica! Vamos escalar juntos ao cimo da montanha.
Desejo estremecer bem dentro de ti e afundar-me contigo na mais genuína catástrofe rendida ao prazer.
Quero gemer bem alto o quanto te amo…
Como me agitas, tão bom! Que satisfação é partilhar os lençóis contigo…
Adoro ficar completamente louca com batimentos exagerados ao compasso dos ponteiros desorientados do relógio.
Roçar os nossos corpos nus é a melhor sensação do mundo.
Encaixar em ti é equivalente a ter uma árvore repleta de frutos saborosos.

Perdi-me vagamente nas horas.
Não desvendo mais nada nosso. O resto abrigo dentro de mim no nosso cofre cerrado a cadeado.
Acolhe-me só até amanhecer no teu peito. Deixa que poise o rosto nele sentindo a tua respiração solta pelo vento que te verte entre os pulmões.
É por ti que existo. É o ar perfumado que respiras que me fortalece a cada passo que dou. Entrelaça as nossas mãos como criança de rua abraçando a solidão.
Somos um todo, um só.Amo-te, amo-te, amo-te!

Recordo-te sempre como o melhor de mim.
Completas-me.


08.11.11

TINA TURNER - SIMPLY THE BEST (TRADUÇÃO)
-> http://www.youtube.com/watch?v=47mDxuVIeRY

terça-feira, 8 de novembro de 2011

ESBOÇO DE SAUDADE


Enfeitiçada pelo breu da noite
Esfumaçava o cachimbo
Enquanto bebia o licor da vida
Humedecia o rosto de afinidade
Lembranças inquietas
Do esboço da saudade

O meu olhar colheu diamantes
Esboçou um sorriso breve
Por longos instantes
No breu da noite
Caíram flocos de neve

Padecias tão leve…

A dor sossegou.

Algo te trouxe
E não mais te levou
Por amor
Nada de mim te arrancou.

18.10.11

ANA MOURA – OS BÚZIOS
-> http://www.youtube.com/watch?v=zreA3NgiPYE&feature=related

segunda-feira, 7 de novembro de 2011

MORRI AO ESQUECER DE MIM



Olhando entre as frestas da penumbra
Rastejo contra a vasta solidão
Grito atingindo lentamente
Um rasgo de sol que me queima
Sufocando-me a respiração

Morri ao esquecer de mim.

Rasto de vida
Nem a largas passadas
Só o vidro baço
Em águas furtadas

Morri ao esquecer de mim.

O meu nome há muito esqueci
Se já fui já não sou
Por isso matem-me, morri.

Morri ao esquecer de mim.
Olhei de lado o princípio, o meio
E só agarrei o fim.

06.11.11

MARLON ROUDETTE - NEW AGE
-> http://www.youtube.com/watch?v=Jk5kYjD9E1I

domingo, 6 de novembro de 2011

A FUGA DA TARTARUGA


Um dia estava a formiga
À conversa com a sua amiga
De todas as que tem
Era a que lhe queria mais bem
E a mais fininha:
A amiga libelinha!

Estavam a falar da tartaruga
Que ao que pareceu
Resolveu dar de fuga
E dizer p’ra onde foi não lhe apeteceu!
A libelinha comentou
Que a última vez que a encontrou
Estava tão esquisita
Que fez uma fita
Logo desapareceu
Nunca mais ninguém a vista em cima lhe meteu!

A formiga estava preocupada
De notícias não sabia de nada
Estava a pensar telefonar
À sua mãe a perguntar!
Juntaram-se então as três
A curiosidade logo se desfez
A tartaruga tinha um novo namorado
Então mudou-se para outro lado!
Tinha de ter namoro pelo meio
Dizia a sua mãe que o rapaz era feio
Não devia ter dito
Mesmo que ele não fosse bonito!

Tentaram convencer
A tartaruga a mudar de ideias
Como a aranha muda de teias
Mas ela não quis
Com o seu sapo estava feliz!
O sapo
Era um conquistador
Já tinha no papo
O seu grande amor!

Até já falavam em casar
E numa casa se juntar
A mãe do sapo achava cedo
Tinha receio
Mas não tinha medo
Achava que o filho
Tinha acertado em cheio!

As amigas da tartaruga ficaram contentes
Apesar de não estarem presentes
Desejaram a maior felicidade
À sua amiga de verdade!

29.07.2011
That's What Friends Are For - Dionne Warwick & Friends - Tradução

sábado, 5 de novembro de 2011

MINHA ROSA PURA



Eis que no pôr-do-sol desabotoava
De ti detalhadas pétalas de rosa pura
Nada em teu semblante destoava
Centrei-me na tua encantada doçura

Oh, minha rosa pura
Sem amargos espinhos
Tudo em ti é brancura
À vista dos meus olhinhos

Quanto mais te beijo
Mais te toco e acaricio
Tão minha te desejo
Que prisão és, meu vício

Se te ajeito desespero
Só tu és vida, és luz
Se te dispo, te venero
És pureza que seduz
És beleza a olhos nus.

03.11.11

MARIZA – ROSA BRANCA
-> http://www.youtube.com/watch?v=6Iapqgekl3I

sexta-feira, 4 de novembro de 2011

MIL E UMA BADALADAS DE AMOR


O violino soltou as cordas
A música desafinou
Soando desconcertada
Com a junção dos corpos

A resina inundou os troncos
Acidentados e descobertos
Cedendo as ramificações
Ao contacto da pele

O sino sobressaltou-se
E alvorou exaltado
Em mil e uma badaladas
De pura entrega.

02.11.11

ALEXANDER RYBAK - FAIRYTALE
-> http://www.youtube.com/watch?v=sgH3TUXsH5I

quinta-feira, 3 de novembro de 2011

MENINA DO MONDEGO

Parque do Mondego, Coimbra

Oh, que menina tão encantadora
Pelos campos do Mondego namora
Cultiva a semente da sua sabedoria
Desde o nascer até ao final do dia

Da sua tenra e doce idade
Preserva a genuína mocidade
Atenta nos campos de arroz
Transporta o rio até à foz

O que lhe traz mais sossego
São as águas amenas do Mondego
Que seus olhos miram doirados
E de lá vêm a florescer lavados

Não se deixa levar pelo cansaço
O Mondego aperta num abraço
Quando lhe sussurra a saudade
Desnuda-o, atingindo a felicidade!
02.11.11

PEDRO BARROSO – MENINA DOS OLHOS DE ÁGUA
-> http://www.youtube.com/watch?v=UAdJ-JxgamE

quarta-feira, 2 de novembro de 2011

A NU


Jazia nu
Para me unir
Faltavas só tu
Eu ousado despir

Como sou um homem gentil
Comecei por te tirar os sapatos
De forma bem subtil
Subi e desabotoei-te a blusa de linho
Enfiei-me entre ela
Como pássaro que encontra o ninho

As tuas colinas incendiadas
Despertaram em brasa
A minha boca molhada
Deixei as mãos suadas
Correrem pelo fecho da saia justa
Que tão bem te assentava
(Mas confesso que preferi vê-la no chão)

Os teus collants de renda pura
Renderam-se à tentação
Perderam a amargura
E tombaram
Como peixe que cai na rede

Exaltada era a tua sede
Aliada à minha
Lembrando o comboio
Desorientado na linha

Fundiu-se a luz
Os corpos entregaram-se nus
Violaram as leis do desejo
Em maré solta pelo vento
Até que o sol se pôs de pé
Os dois gemeram ao mesmo tempo.

28.10.11

SCORPIONS - YOU AND I-> http://www.youtube.com/watch?v=PuLyKxb7RZI

terça-feira, 1 de novembro de 2011

LUZ BRANCA E PENUMBRA




Poeira esbranquiçada no ar
Mãos de cal envelhecida
Pés sujos loucos a vadiar
Entre pedras da calçada foragida

Tinta preta entornada
Partícula negra em tela inteira
Pele oleosa desgastada
Olhos bêbedos de cegueira

Sorriso aberto roubado
Lábios de aço fundido
Cabelo até às pontas rapado
Semblante em lama encardido

Pestanas de páginas caídas
Peito em sopros estremecidos
Unhas quebrando poluídas
Joelhos de reza doridos

Voz gaguejando galvanizada
Momentaneamente fracassada
Sussurros de morte ao ouvido
Lamentos de poeta vencido

Bebendo a vida em goles
Salteando dedos entre foles
De luz branca e penumbra
Goles de melancólico puro
Claridade revestida de escuro.

31.10.11

Eros Ramazzotti e Anastacia -
I belong to you
-> http://www.youtube.com/watch?v=37-vD6aBNdI
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...