BEM-VINDO(A) AO BLOG DE JESSICA NEVES *





(ÉS O MEU) LIVRO ABERTO

Desfolho-te como seda
Coberta de lantejoulas
Afasto a cortina lentamente
Pedaço a pedaço
Que bom é ler-te
Entre o jardim banhado em mel
E a cascata desnudada
No horizonte da tua sombra
Aragem perfumada de canela
Com pitada de pimenta
Ler-te é cegamente
Aquilo que me alimenta
Nas entranhas do meu ser.

25.09.2011











Aprecie as pequenas coisas da vida. São as mais belas e as mais intensas. Lembre-se que essas são as melhores.

domingo, 31 de julho de 2011

DAR VIDA ÀS COISAS

Pego numa folha caída sem vida
Rapidamente a ponho colorida
Ficou mais sorridente
Agora sim, está contente!

Pego num papel amachucado
Que aparentemente tem o seu fim contado
Ele é muito fino
Transporto-o para outro lado
Dou-lhe outro destino
Pinto-o de dourado
Com um toque de brilhante
Assim, sempre que o observar
Vou-me lembrar
De uma estrela cintilante!

Avisto um pobre brinquedo
Só e cheio de medo
Trago-o comigo
E dou-lhe abrigo
Até que o ofereço a uma menina
Que está sozinha a ler a sina!

 
Vejo um livro fechado
Triste e muito apagado
Começo a desfolhar
E não consigo parar
Descubro naquele instante
Que a história é interessante!

O livro faz-me companhia
Eu dou-lhe vida e alegria
Porque ao estar a ler
É como se ele fosse um novo ser!

Tenho uma moldura
Sem qualquer gravura
Sem nenhuma fantasia
Vou colocar-lhe uma fotografia
Com uma imagem
É logo outra paisagem!

Aproveito uma lata que ia para o lixo
Nela o olhar fixo
Forro-a com restos de tecido
Que não dão para fazer um vestido
Mas faço um mealheiro
Onde posso colocar o meu dinheiro!

 
Tenho uma tela à minha frente
Que está completamente vazia
Vou transformá-la em gente
E desenhar uma família!

Não tenho como decorar a tela
Falta-me o pincel que a pinta
Apesar de ter a tinta
Já não ficará tão bela!


Num improviso br
eve
Pinto com o que estiver mais à mão
Esqueço por momentos a razão
Que é para isso que a imaginação serve!

Como se pode comprovar
Vida às coisas devemos dar
Porque dar vida às coisas é também viver
E com elas aprender

Uma coisa só está perdida
Se ninguém lhe der vida…
E podemos transformá-la numa coisa divertida!

23.07.2011

sábado, 30 de julho de 2011

RECEITA

Caneta na mão
Uma pitada de imaginação
Alma de palmo e meio
Coração cheio.

Para fazer um poema
Do ovo só preciso da gema
De arte só preciso duma parte
Do sol só preciso da luz
O resto a inspiração conduz.

Um quarto de sal
Para não fazer mal
Uma chávena de carinho
Para estar no bom caminho.

Faço uma colheita
Misturo os ingredientes
Desta simples receita
Consigo sempre poemas diferentes!

Passo a passo
Poemas faço
Tirando desta receita
A colheita perfeita!

28.07.2011

sexta-feira, 29 de julho de 2011

AUSÊNCIA DE TI

Gostava de sentir os teus lábios
Doces e sábios
Com a máxima suavidade
Mas com muita intensidade.

Sei que estou louca
Só queria a tua boca
E o teu rosto bonito
Até ao infinito.

Queria poder olhar-te
De alto a baixo
E a ti amar-te
Porque só contigo encaixo.

Queria mostrar-te o mundo de pernas para o ar
Tirar tudo do lugar

Tirar o rio da foz
E ficar com ele só para nós.

Vem comigo construir
Algo que nunca imaginámos
Vem usufruir
De tudo o que alcançámos

Podes vir simplesmente
Como um corpo presente
O que importa é que venhas
E muito amor para dar tenhas.


28.07.2011

quinta-feira, 28 de julho de 2011

ESCRITA COM ALMA


Escrevo um poema
Escrevo livremente
Escrevo sem ter um tema
Escrita recorrente

Escrevo por paixão
Escrevo por devoção
Com ou sem imaginação
Caio sempre na tentação.

Observo o mundo
Escrevo sobre tudo
Falo de amor
E até de dor
De momentos
Mas essencialmente sentimentos

Escrevo com toda a calma
Escrevo o que me vai na alma
Escrevo poesia
Porque preservo toda a sua harmonia.
 
Gosto de rima
Quando não sai bem
Coloco um risco por cima

Fazer rimar
E as palavras conjugar
Numa harmonia sem fim


É isso poesia para mim!
Escrevo sem ter hora
Depois ou agora
Escrevo cada linha
Com consciência minha

Escrevo sem limite
Sem que nunca me precipite
Nem que alguém me imite
Sou eu que escrevo
O que penso e acho que devo.

Na poesia tudo emprego
Numa pequena palavra pego
E rapidamente mudo
Num poema profundo.

Escrevo com ousadia
Sinto a melodia
Poesia é assim:
Um refúgio para mim!

Poesia é sonhar
É a mente elevar
É sem medo caminhar
E com alegria triunfar!
 
Poesia é vida
Poesia é ter alma
Poesia acalma
E mantém a mente colorida.

 
Escrevo assim
Escrevo para ti
Escrevo sem um fim
Na ausência de te ter aqui
Escrevo apenas pedaços de mim.

   14.07.2011

MERA INCERTEZA

Estou a ouvir chover
E a chuva está a bater
Na janela do meu quarto
Estou ao mesmo tempo a sentir
Que estou a ver-te partir
Não sei se também parto…

Fico na incerteza
Não quero que vás
Tudo perderá a sua beleza
Mas também não quero ir atrás…

Apetece-me correr
p’ra ti
Trazer-te
p’raqui
Mas não sei se está certo
Não sei se ainda estás perto…

Há algo que não me faz desistir
Há algo que me impede de sorrir
Isso eu sei o que é
É de não te ter aqui ao pé…

Não sei se devo arriscar
Não sei por onde devo caminhar
Não sei se me deixo levar
Pelo bater do coração
Ou pela razão…

Sabes que és tudo para mim
Mas será que já vimos o fim?
Custa-me pensar assim…

Tenho de pensar em tudo
Tu não podes ser o mundo
Ou será que és, no fundo?

 
17.07.2011

GENUÍNA FLOR











Pequena flor
Quer seja cravo ou jasmim
Não importa a cor
Importante é o que significa para mim
Dou-ta com amor
Jamais sem fim
Sente o seu odor
Molda-a a ti.


Peço-te com todo o respeito
Com a tua leve mão
Coloca-a junto ao peito
Sente o bater do coração
Não quero que esteja desfeito
Dou-te esta recordação
Porque adequa-se ao teu jeito.

Sei que é pequena
Mas vale muito a pena
Quem gosta acredita
E confiança nela deposita.

 
Aroma doce
Flor mais bela
Que tenho na minha posse
A ti te comparo a ela.

Que grande riqueza
A nossa genuína flor
Junta com a tua beleza
Vamos celebrar o nosso amor
Que apaga toda a tristeza
E nos enche de fulgor.

A função da flor
É produzir semente
E não há produção melhor
Do que o coração que não sente.

Encantada da vida
Não importa se é rosa
Se é dália ou margarida
Te dou esta flor formosa
Porque tu és uma querida.

 05.07.2011

quarta-feira, 27 de julho de 2011

DE COSTAS VOLTADAS


Queria falar de amor
Mas não vale a pena
O sentimento é maior
Para uma palavra tão pequena…

Queria falar do verão
Do calor e da paixão
De toda a aventura
De muita loucura
Mas hoje não me sai nada
Tenho a mente apagada.

Queria falar da vida
De cada despedida
De cada partida
Mas a vida é tão injusta
É isso que mais me custa!

Queria falar do tempo
Queria ouvir o vento
Mas hoje não é o dia
De concretizar os meus pensamentos!
 
Queria partilhar momentos
Com alguém essencial
Queria demonstrar sentimentos
De um modo especial.

Queria dizer o que sinto
Se o fizer é porque minto
Queria dizer o que me vai na cabeça
Queria conseguir encaixar cada peça.

Queria desfrutar da liberdade
Sempre com responsabilidade
Mas hoje nem isso me parece
O corpo está mole, não me apetece.

Queria falar do inverno,
Que frio, que inferno
Mas hoje estou revoltada
Estou de costas voltadas!

15.07.2011

DESNECESSÁRIO

Não preciso da poesia para conquistar
Nem do teu corpo para me perder
Não preciso do mar para te fazer levitar
Nem do tempo para te esquecer!

Não preciso de passar a margem do rio
Para ir ter contigo
Nem de te prender por um fio
Para ficares comigo!

Não preciso só de um beijo
De cortar a respiração
Que me mate o desejo
E me encha o coração!

O que eu mais preciso é de te amar
Isso sei que não é indeciso
Preciso do brilho do teu olhar
Para ser mais conciso!

SEM SENTIDO













Escrevo sem sentido
Lamento o dom ter perdido
Escrevo sobre o tempo
Sobre o vento
Sobre o sol
Sobre o momento
Uma cana e um anzol
O tempo hoje está mole!

Escrevo sem papel
Estou a escrever a caneta
Escrevo sem tinta no pincel
Que bela treta!

Hoje deu-me para isto
Fazer um poema misto
Nem eu estou a perceber
Nem ninguém vai entender!

Mas eu não inventei
O título é explícito
Não,
não
é nenhum mito
Fui eu que criei!

Já tive dias melhores
Já estive para ir comprar flores
Mas nem gostava do cheiro
Ainda por cima não tinha dinheiro.

Deixo tudo a meio
Eu sei que isso é feio
Gostava de ser inteira
E dar sentido a esta brincadeira.

Eu sei brincar
Mas hoje falta-me companhia
Preci
so
de uma guia
Para me ensinar!

O melhor desta brincadeira
É ver que no fundo é verdadeira
Tudo é subentendido
Porque não faz qualquer sentido!

 
 21.07.2011

PALAVRAS SOLTAS












Palavras soltas
Conjugadas com harmonia
Quando ando às voltas
São a mais bela companhia.

Palavras discretas
Jamais funestas
Por vezes directas
Palavras honestas
Nem sempre correctas.

Palavras pequenas
Existem às dezenas
Multiplicam-se às centenas
São fortes ligações
Que enchem os nossos corações.

Palavra extensa
Palavra complicada
Nem sempre compensa
Uma palavra prolongada
Porque a palavra mais sentida
Não tem de ser a mais comprida
Mas a mais intensa
Torna-se a sentença
Dita no momento certo
Estando longe torna-se perto.

Palavra doce Por mais mínima que fosse
Sabe sempre bem
Ouvi-la como ninguém
E dizê-la também.
Porque às vezes
Só precisamos de uma
Pequena grande ajuda
Cai que nem uma pluma
Naquele momento tudo muda
Apenas um ombro amigo
Que esteja sempre comigo.

Porém, nem tudo são rosas
As palavras também magoam
Só de ouvir são desgostosas
Parecem rios que desaguam
Palavras que entristecem
Mexem connosco e nos enlouquecem
Apenas desvanecem
Infelizmente permanecem.

Palavras  Soltas
Leva-as o vento
Mas quando são ditas com sentimento
Perduram no momento.


Apenas palavras
Soltas
Juntas ou separadas
Formas de expressão
Simples ou elaboradas
Com ou sem razão
São elas que dão sentido à nossa existência
São elas a nossa essência.

 

Desejo que seja assim
Que haja sempre para ti e para mim
Uma palavra amiga, sentida
Sempre colorida
Até ao fim da nossa vida.


07.07.2011

terça-feira, 26 de julho de 2011

OLHAR SOBRE O HORIZONTE


Lanço um olhar sobre a ponte
Diante dos meus olhos
Vejo um novo horizonte
Colorido com folhos.

Pela manhã
Abre o sol
Envergonhado
Ainda mole
Um pouco apagado.

Vem uma suave brisa
Que a paisagem em nada ameniza
Mas o tempo vai mudar
O sol  parece querer ajudar.

Com os seus raios louros
Ilumina a paisagem
Parecendo tesouros
Que levam a uma bela viagem
Ou talvez seja uma miragem.
 
Avisto um pequeno monte
Composto por uma fonte
Rodeado de flores
De diferentes odores.

Vejo pessoas contentes
Embora também ausentes
É uma riqueza atribulada
De uma felicidade pré-fabricada.


Uma criança de meigo coração
Pelo monte anda à solta
Apenas pede um pouco de atenção
E continua às voltas
Apesar de toda a agitação.

Os pais têm os seus afazeres
Então a criança fica triste
E logo desiste
Porque não desfruta dos prazeres.

 
Hoje em dia, é o mais vulgar
Cada um no seu lugar
Os pais nem sempre presentes
E as crianças cada vez mais conscientes.

Mais ao longe,
Observo um castelo
Que mundo tão belo!

Serão apenas aparências
Meras vivências
De quem “tudo” tem
De quem vive bem.

E eu penso
Num olhar suspenso
De que serve ter riqueza
Se não se tem amor
Essa imensa beleza
De tamanho sabor.

De que serve ter amor para dar
Correndo o perigo
De sozinho ficar
O amor pode ser inimigo
Se não for correspondido.


A vida será sempre assim
É um pouco injusta
É obvio que custa
Alguns não merecem esse fim!

“O essencial é invisível aos olhos”
Injustiças existem aos molhos
Que olhar sobre a ponte,
Mas que imperfeito horizonte
!          
  
      12.07.2011

AMIGO VERDADEIRO

Amigo
Companheiro
Está sempre contigo
É um ser verdadeiro
Nunca te deixa
Enfrenta o perigo
Nunca se queixa.

Amizade
Se for baseada na verdade
Foge a toda a tempestade
E vive com liberdade.

Um amigo apoia-te em tudo
Ensina-te a viver
É o melhor do mundo
Ajuda-te a crescer.


Um amigo
Partilha momentos
Doa o coração
Guarda sentimentos
Leva-te à razão
E quando mais precisas
Está do teu lado
Dá-te sempre a mão
É um eterno enamorado
Leva-te à paixão
Com o seu jeito encantado.

Para saíres do fundo
Do vazio profundo
Precisas dele
Não há ninguém como ele.


 
06.07.2011

POESIA

POESIA
É uma obra de arte
É poder ir mais além
É de todos nós uma parte
É juntar as palavras como ninguém
É uma forma de expressão
É acreditar que posso ser alguém
É uma história com lição
É imensa sabedoria
É declarar sentimento
Em constante harmonia
Num curto momento
É viver o dia-a-dia
Num inevitável contratempo

 
Poesia
É o que eu quiser
É um grito de mulher
É o que eu fizer dela
É uma forma de identidade
É a coisa mais bela
Da verdadeira humanidade
Confrontada com a realidade
Da mais pura ingenuidade
Com a sua beleza
Com a sua simplicidade

Poesia

É de certeza
Um pouco de tudo
A mais íntima pureza
Que conquistou o Mundo.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...